15 de febreiro de 2009

Airas Nunes

-Gaiteiro em Santiago-

Airas Nunes foi um crego e trovador do século XIII. É, pola dimensom crítica, persoal, e a um tempo universal da sua obra, um dos meus autores preferidos da nossa lírica medieval. Eis a minha persoal escolma da sua obra (as images que emprego para ilustrar o post achan-se na catedral de Santiago e no Paço de Gelmires).



-nas Pratarias-

Esta primeira é umha denúncia da falsidade da sua época (de todas as épocas, nom si?), extendida a aquelas instituçons e lugares onde um poidesse agardar o brilho da virtude.


Porque no mundo mengou a verdade,

punhei un día de a ir buscar;

e, u por ela fui a preguntar,

disseron todos: «Alhur la buscade,

ca de tal guisa se foi a perder,

que non podemos én novas haver

nen ja non anda na irmaidade».


Nos moesteiros dos frades regrados

a demandei, e disseron-m'assí:

«Non busquedes vós a verdad'aquí,

ca muitos anos havemos passados

que non morou nosco, per bõa fe,

..................................................

e d'al havemos maiores coidados».


E en Cístel, u verdade soía

sempre morar, disseron-me que non

morava i, havía gran sazón,

nen frade d'i ja a non conhocía,

nen o abade outrossí no estar

sol non quería que foss'i pousar;

e anda ja fora da abadía.


En Santiago, seend'albergado

en mia pousada, chegaron romeus.

Preguntei-os e disseron: «Par Deus,

muito levade-lo caminh'errado,

ca, se verdade quiserdes achar,

outro caminho convén a buscar,

ca non saben aquí dela mandado».


(Cántiga nº 455 do Cancioneiro da Vaticana)


De Fror na Area

A que segue joga (penso, coido e suspeito) cum dobre sentido da verba Eleito, a persoa escolhida para umha autoridade; mais tamém Jesus Cristo?


Achou-ss'i um bispo que eu sey um dia

com ho Eleyt'e sol non lhe falou

e o Eleito se maravillou

e foy a el e assy lhe dizia:

que bispo sodes, se Deus vos perdon'

que passastes ora por min e nom

me falastes e fostes vossa via?


E diz o bispo: nom vos conhocia,

se Deus me valha, ca des que naci

nunca com vosco faley nen vos vi,

e assi conhecer non vos podia;

e por en se me algur com vosco achar

e vos non conhocer, nen vos falar

nom mh'o tenhades por vilania


(nº 1133 do Cancioneiro da Vaticana)



Na seguinte narra o assalto sofrido em Redondela a mans dum grupo de soldados da poderosa família dos Churruchaos. Na documentaçom galega medieval som frequentes as denúncias baseadas em feitos similares, já que os Senhores e as suas tropas comportavam-se a miúdo como bandoleiros. Já dizia o rei Fernando o Católico que os galegos eramos gente crua.


O meu senhor obispo na Redondela hũu dia

de noite com gram medo de desonrra fogia;

eu hyndo-m'aguysando por hyr com el mha via

achey hũa campanha assas brava e crua,

que me decerom logo de cima da mha ruiva

azemela, et ca m'alevarom-na por sua


E desque eu naçi'a nunca entrara em lide,

pero que já fora cabo Valedolide

escoltar doas muytas que fezerom en Molide

e ali me lançarom a mi a falcatrua

a mais escudeiros, gage o Churruchão,

et taaes sergentos, cá nom gente de rua


Ali me desbulharom do tabardo e dos panos

et nõ houverõ vergonha dos mis cabelos canos

nem me derom por ende grãs nem abanos

leixaron-me qual fuy nado no meyo de la ria,

et huũ donato tinhoso que a de par estava

chamav'a minha nana velha fududadia.


(nº 468 do Cancioneiro da Vaticana)



Mais nom todo é narraçom e crítica na obra de Airas Nunes, que sabe representar a louçania e a arrogáncia da juventude com mestria.


Bailemos nós ja todas tres, ai amigas,

so aquestas avelaneiras frolidas

e quen for velida, como nós, velidas,

se amigo amar,

so aquestas avelaneiras frolidas

verrá bailar.


Bailemos nós ja todas tres, ai irmanas,

so aqueste ramo destas avelanas

e quen for louçana, como nós, louçanas

se amig'amar,

so aqueste ramo destas avelanas

verrá bailar.


Por Deus, ai amigas, mentr'al non fazemos,

so aqueste ramo frolido bailemos

e quen ben parecer, como nós parecemos,

se amig'amar,

so aqueste ramo so'l que nós bailemos

verrá bailar.


(nº 462 do Cancioneiro da Vaticana)



El mesmo da logo umha nota intimista, quando nos fala dos seus propios sentimentos e ledícia na primavera, em singelas pinceladas.


Que muito m'eu pago deste verão


por estes ramos e por estas flores,

e polas aves que cantan d'amores


por que ando i led'e sen cuidado


e assí faz tod'homen namorado:

sempr'i anda led'e mui loução.




Cand'eu passo per algũas ribeiras,


so bõas arvores, per bõos prados,


se cantan i passaros namorados

logu'eu con amores i vou cantando

e log'alí d'amores vou trobando

e faço cantares en mil maneiras.



Hei eu gran viço e grand'alegría,

quando mi as aves cantan no estío.


(nº 456 do Cancioneiro da Vaticana)


-Sam Estevo de Ribas de Minho-


Ningún comentario:

Publicar un comentario

Deixe o seu comentario: